Meus amigos sabem, eu sou escoteiro, mesmo não ativo hoje em dia, poucas pessoas entendem o que é escotismo, a imagem dos escoteiros-mirim da Disney ficou por muito tempo, mas o escotismo é uma instituição que está baseada na formação do jovem, mais que acampar, ensinar nós o escotismo nos dá princípios, um código. Eu sempre valorizei muito isso na minha vida, o escotismo me deu algumas das melhores lições de vida que eu tive, colocou algumas das pessoas por quem eu mais tenho carinho e respeito na minha vida. Mas a lei escoteira e a promessa realmente são o que fundamenta tudo.

Uma vez quando eu tava muito mal, meu mestre pioneiro, me disse: Olha pra Távola, cada princípio aqui tem um porquê e cada um deles tá dentro de você. Lembra da 8ª Lei e vai em frente, a base tá ai.

A 8ª Lei do Escoteiro é essa do Post: “O escoteiro é alegre e sorri nas dificuldades!”

E eu juro que pra mim nada nunca foi difícil como os últimos meses, tirando talvez a morte do Júlio, e eu não sabia aonde encontrar essa alegria, mas é uma coisa engraçada, pessoas com quem eu não falo a tempo vieram me dar apoio, a começar pelo Edvan, que veio falar comigo tem quase um mês, depois a Renata do Kung Fu, o Rafael, o Almir e pessoas que não comentaram, nem leram meu Post, mas que vieram me dar apoio.

A vida  faz uma sujeira enorme com a gente, eu sinto falta do Eduardo, do Paulo e do Guilherme, que basicamente foram uma família fora da família quando eu vim morar em São Paulo, mas hoje eu entendi o que o Du, meu antigo mestre pioneiro, me disse quando falou da 8ª Lei, existem pequenas alegrias, existem amigos reais, que eu sempre vou apanhar da vida, mas eu sou exatamente o que eu era há 12 anos, um homem de meus princípios.

Eu disse que eu tinha de aprender a ser falso, a manipular, esse não sou eu, eu luto e eu incomodo, porque eu não me rendo, eu tenho meus valores, meu código, minhas virtudes e meus erros, mas eu não sou um ser pasteurizado. Eu sou o Alexandre, o Alê o Taz, tudo ao mesmo tempo. E a minha alegria está ai, ser eu, ter meus amigos, poucos, mas verdadeiros.

Achei minha alegria de volta, agora só faltava a música. E ela veio, direto do trabalho, pra lembrar que ninguém vai me parar.

Sobre a lei escoteira.

Eu precisei desse tombo para lembrar de uma coisa que fundamenta quem eu sou. A lei em questão devemos sempre enfrentar o futuro cantando uma canção e sorrindo com otimismo, e esse sempre foi o meu espírito e ninguém vai quebrá-lo.

E a música que eu canto a isso é essa:

Anúncios